Homengem e lembranças de Adilson Ifaleke Martins, por Katia de Nkosi

|
Homengem e lembranças de Adilson Ifaleke Martins, por Katia de Nkosi

É com pesar e muita saudade que compartilho a perda de ADILSON ANTONIO MARTINS, BABALAÔ IFALEKE OGBEBARA, venho expressar minha gratidão por ter convivido durante quatro anos com esta pessoa que me recebeu em sua casa (Egbe), com braços abertos e sempre com um sorriso espontâneo que lhe era peculiar. Um homem que deixa um legado enorme de obras escritas, que muito contribui para a divulgação na causa da religião.
Homem de respeito com objetivo de divulgar o culto de Ifá-Orumilá de forma correta, sempre combatendo aventureiros que vendem mentiras e falsas iniciações.
Crítico, guerreiro, amante da religião, que pregava seriedade, compromisso, devoção e outros atributos que ficaria aqui enumerando em várias linhas.
"Os corpos que revestem os espíritos são, por assimdizer exteriorizaçãodo pensamento".
E pensamentos não lhe faltavam em forma de poesias, de livros, de bons conselhos, em forma de arte.
Bom, o Orum deve estar iluminado com a presença deste baluarte do culto a Ifá.
Agradeço a Orumilá por ter desfrutado da compahia deste Babalaô.
Que Orumilá lhe receba de braços abertos.

Kátia de Nkosi.



Alguns livros dele:

Igbadu - A cabaça da existência
O autor revela os mitos da criação do universo religioso nagô que deram origem ao culto aos orixás. A cada capítulo, o leitor fica sabendo como surgiu o Ayé - o mundo material -, como apareceu a raça humana e o nascimento dos preceitos das religiões africanas.

Livro - Erinle, o Caçador
Neste livro os personagens têm nomes africanos; os animais e as plantas são nativos da África; os lugares ficam na África; mas seus temas são universais. Alguns contos procuram explicar a origem de certas coisas: esse é um tipo de conto presente em todas as culturas. Existem contos que falam de recompensas e castigos, ou do valor da esperteza para enfrentar dificuldades. Com eles, também aprendemos que pequenos favores a animais mágicos podem trazer grandes benefícios, e que o caçula enganado pelos irmãos pode "dar a volta por cima", entre muitas outras lições. Os contos se caracterizam por apresentar muitos elementos e detalhes que vamos descobrindo aos poucos, conforme vamos lendo (ou ouvindo) mais e mais vezes o mesmo texto.

O Papagaio Que Não Gostava de Mentira
Esta é mais uma obra de Adilson Martins que registra contos tradicionais africanos. Aqui o autor apresenta uma coleção de fábulas. Fábulas como as de Esopo e La Fontaine, os famosos autores da Grécia antiga e da França? Sim, exatamente como essas. Mas com uma pequena diferença - são fábulas que vêm dos povos a que pertenceram nossos tataravós africanos. As fábulas africanas servirão para nós, hoje, como serviram aos povos antigos - como forma de educar as crianças, de fazer com que os adultos reflitam mais sobre a sua conduta e até como meio de crítica social.

Lendas de Exu
(sobre o Lendas de Exu, há uma outra postagem recente, com repercussão, ainda que pouca, para a situação que a obra estava envolvida)

1 comentários:

OBI-ORDEM BRASILEIRA DE IFÁ disse...

OGBO ATÒ! IYA

SUAS PALAVRAS DESCRITAS DEIXA UM
BREVE EXPLANAR DE UM MESTRE.
QUE JÁ NOS DEIXA SAUDADES.
PORÉM PERDEMOS NO AIYE E GANHAMOS NO ORUN.

KA RIBA TI SE ESU ATI BABA ORUNMILA !
(QUE ESU E BABA ORUNMILA MANTENHA NOSSOS CAMINHOS ABERTOS)

BABA IFAJÈMI